Descarte incorreto de roupas e acessórios pode ser diminuído com reciclagem e ressignificação

De acordo com a Associação Brasileira da Indústria Textil e da Confecção (ABIT), todos os anos cerca de 170 mil toneladas de resíduos têxteis são descartadas de forma incorreta no lixo comum. Um dos grandes motivos que gera essa problemática é a falta de informação sobre a ressignificação e a reutilização de roupas e acessórios que não servem mais, não fazem parte do estilo ou apresentam desgaste.

Segundo Mayara Behlau, professora do Núcleo de Criação da Escola de Moda Sigbol, é necessário reconhecer o fim de uma roupa e pensar criativamente no que fazer com ela depois disso. “Se uma peça desbotou, encolheu ou apresenta desgastes (manchas, rasgos) em função de maus cuidados na higienização ou da qualidade, é hora de pensar no descarte consciente”, explica a especialista. Uma das opções pode ser picotar aquele produto e fazer enchimento de almofadas, por exemplo. “Mas se o motivo do descarte é a mudança de estilo pessoal, customizar é a alternativa”, continua Mayara. No caso de calças que não servem mais ou foram manchadas durante a lavagem, a modalidade ‘destroyed’ está em alta e não necessita de mais nada além de uma tesoura afiada e a criatividade. “Bordados, aviamentos, recortes, pinturas, enfim, é possível mudar e adaptar completamente de acordo com o gosto pessoal e as tendências atuais“, finaliza.

Sigbol - Reciclagem e ressignificação de roupas

Uma opção muito comum e importante é a doação de roupas, como a Sigbol faz todos os anos. A rede possui pontos de coleta e realiza distribuição através de entidade assistencial. Carolina Nogueira, também professora de moda da Sigbol, em São Paulo, alerta: “Quando ressignificamos, ajudamos o meio ambiente. Infelizmente muitas indústrias têxteis ainda despejam muitos produtos químicos na natureza durante o seu processo. Além disso, uma roupa pode demorar meses ou centenas de anos para se decompor, dependendo do seu material. Ressignificar é dar um novo olhar e uma nova vida para algo que seria descartado“.


“Passamos por vários ciclos em nossas vidas com carreira, família, saúde e tudo isso impacta no nosso vestuário. Uma pessoa que se aposenta, por exemplo, com certeza não vai mais se identificar com suas roupas se o seu dress code era formal e agora ela tem uma vida que pedem roupas mais casuais. O autoconhecimento é a base para uma vida equilibrada internamente e externamente”, conclui Carolina.

Sobre a Sigbol

A Sigbol é uma franquia que oferece cursos especializados em moda. A rede concentra 30 unidades no estado de São Paulo e Goiás. A marca foi a primeira a oferecer esse tipo de curso no país, com início em 1969. A estreia no franchising ocorreu em 2011. Nos 50 anos de atuação, a Sigbol já formou mais de 130 mil alunos. Os cursos variam de aprendizados básicos em corte e costura a cursos de criação e design, como moda pet, moda praia, e desenho técnico. Recentemente, a rede lançou o curso de Corte e Costura completamente online, uma forma de driblar a pandemia e alcançar novos mercados.

A franquia oferece dois modelos de negócio Smart e Full, com investimento inicial a partir de R$ 90 mil e retorno do investimento a partir de 6 meses.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*